©2019 por Rede Brasileira de Mulheres Filósofas

Filosofia Africana desde os Saberes Ancestrais Femininos: bordando perspectivas de descolonização

FILOSOFIA AFRICANA DESDE SABERES ANCESTRAIS FEMININOS: BORDANDO PERSPECTIVAS DE DESCOLONIZAÇÃO DO SER-TÃO QUE HÁ EM NÓS

Adilbênia Freire Machado


Resumo:

Esse artigo tem o intuito de dialogar com os saberes ancestrais femininos desde a filosofia africana com intuito de refletir acerca da descolonização do ser-tão que há em nós, tendo as filosofias da ancestralidade e do encantamento como fios que tecem esses diálogos formativos. Dialogamos desde saberes tecidos por mulheres negras que bordam experiências coletivas, irmanadas, ancestrais e encantadas desde com-partilhas de seus dons, suas vivências, experiências e saberes. Compreendendo nossos corpos como templos ancestrais, nos fortalecendo coletivamente, nos encantando e lutando diariamente pela descolonização do ser-tão desde uma relação comunitária e ancestral, delineada pela natureza e o tempo, sabendo que é fundante inter-PRETAR o cotidiano, os acontecimentos, insurgir e transformar... transfor-A-MAR! O encantamento tecido pela ancestralidade é um ato contínuo de transfor-AMAR e a filosofia africana é oriunda desse encantamento.


Palavras-Chave: Filosofia Africana; Saberes Ancestrais Femininos; Transfor-AMAR; Descolonização do ser-tão. Natureza e Tempo.



111 visualizações