Precisamos falar sobre assédio

Atualizado: 8 de Dez de 2019


Precisamos falar sobre assédio. Moral e sexual. Pelas razões expostas pela Yara Frateschi, o assédio é um fator de expulsão das mulheres da Filosofia: começa na graduação e vai adiante, mestrado, doutorado, pós-doutorado, professora de ensino médio, de graduação, de pós-graduação. O assédio é uma constante mesmo que a mulher em questão faça parte do privilegiado grupo de professoras que são pesquisadoras em Filosofia no país - a princípio, o topo da carreira acadêmica. E será ainda mais perverso se essa mulher ocupar algum cargo de comando, como chefe, coordenadora, diretora, reitora ou decana.


Seria ingenuidade supor que a misoginia estrutural na sociedade brasileira não se manifestaria nas universidades. Está lá, presente todos os dias. Gostaria de especular sobre uma das causas que venha a dar contornos mais nítidos ao fenômeno da discriminação contra as mulheres na Filosofia. Primeiro, seria preciso reconhecer que, dentro do grande grupo das Ciências Humanas, onde estão pesquisadores/as em Filosofia, filósofos sustentam, implicita ou explicitamente, a posição de que a Filosofia é um saber mais elevado, mais digno, mais importante e mais difícil do que os outros. Essa é uma queixa recorrente que ouço quando trabalho com colegas de outras áreas de Humanas.


É mais ou menos óbvio que o professor que defende essa suposta superioridade confere a si mesmo antes de mais nada um aspecto ridículo, qual seja, o de precisar se dizer numa posição de importância que ele mesmo se atribuiu. Tomemos essa estrutura para aplicá-la na relação entre homens e mulheres : ora, a nós, mulheres, também é mais ou menos óbvio que são os homens e toda a estrutural social, cultural e institucional que cultivam a sua suposta superioridade em relação às mulheres. Nós sabemos que isso é uma farsa. Não só sabemos, como também denunciamos, lutamos e reivindicamos igualdade e liberdade (há séculos, é bom observar). Como hipótese, o problema do assédio contra as mulheres na Filosofia seria apenas a reprodução interna dessa farsa, reaplicada por filósofos em relação a filósofas.


O problema, como bem descreve Frateschi, são as consequências. Alunas que dizem “a filosofia é um lugar muito opressor” - no que elas têm razão - ; alunas que desistem; alunas que não escrevem ou, quando escrevem, não publicam,; alunas que não se inscrevem em concursos ou, quando se inscrevem, não fazem ou, quando fazem, não são aprovadas. Mas é porque essas alunas existem que nós estamos também nos movimentando. Há cerca de três anos, participei, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, de uma comissão para redigir um documento de diretrizes de prevenção contra assédio moral e sexual. Era resultado de uma luta de coletivos de alunas que não suportavam mais o assédio recorrente de professores. Na reunião em que o documento foi levado à aprovação, essas alunas estavam presentes e puderam testemunhar como nós, as professoras que estavam apresentando o documento, também éramos alvo de assédio moral por parte de professores que achavam a iniciativa "desnecessária".


Aqui a escolha da palavra “alvo” é fundamental ao meu próximo argumento: a reivindicação de fim do assédio moral e sexual tem levado muitas de nós a buscar os caminhos de perseguição e punição dos agressores, estabelecendo uma relação algoz/vítima que não considero nem produtiva nem efetiva para enfrentar o problema (aqui seria preciso abrir uma longa discussão sobre as relações entre lutas feministas e punitivismo, mas não é nem o lugar nem o momento).


O recurso à punição me parece que deve ser o último, se e somente se antes dele nada mais tiver sido possível. Isso porque estamos diante de necessidade de transformação cultural ou, mais ainda, da necessidade de um novo pacto social que seja escrito a partir da perspectiva da igualdade e da liberdade para mulheres, e não apenas. Para pessoas negras, para pessoas trans, para pessoas que não sejam mais julgadas por suas escolhas de objeto sexual, para pessoas que não sejam discriminadas pelos seus corpos. Então, se por um lado a redação das diretrizes foi uma experiência fundamental para começar a repactuação da qual falava uma das professoras da comissão, a antropóloga Daniela Manica; por outro lado é preciso que haja firmeza na decisão das mulheres de não adotarem como estratégia apenas a vitimização. Isso porque, para falar com Foucault e Butler, como vítimas, entregamos nosso bem político mais precioso, a nossa capacidade de agenciamento.


O problema da permanência das mulheres na Filosofia é ainda mais grave no âmbito da pós-graduação, onde estão disputas por toda sorte de recursos: financeiros, humanos, políticos. Diante isso, um grupo de trabalho dentro do GT de Filosofia e Gênero sugeriu para a Capes um documento de diretrizes contra o assédio moral e sexual que possa ser adotado nos programas e venha a fazer parte da avaliação de desempenho. É mais uma forma de apontar para repactuação, propondo mudanças que admitem a existência do problema e que indiquem possibilidades de solução fora do par vítima/algoz.


Por fim, e talvez o mais importante, está a escuta apontada no texto de Frateschi. Somos nós, mulheres filósofas, que podemos ouvir as que estão manifestando o desejo de seguir por esses caminhos. Escutar, apoiar e acolher são gestos de hospitalidade a um sofrimento que também é nosso e que começa por admitir que eu, como professora, ainda preciso, todos os dias, reivindicar meu reconhecimento na Filosofia.


#redebrasileirademulheresfilosofas #filosofasbrasil #assedio

83 visualizações

Quer divulgar uma notícia sobre mulheres e filosofia? Escreva para noticias.filosofas@gmail.com

Dúvidas? Escreva para filosofas.brasil@gmail.com

©2019 por Rede Brasileira de Mulheres Filósofas